O verão é uma estação de fertilidade, pois o sol atua em nosso organismo e na terra de forma extraordinária, no humano beneficia com a vitamina D, descoberta em 1920 como um pré-hormônio que diminui o risco de depressão, aumentado a endorfina que promove sensação de bem estar e alegria nas pessoas, melhora a qualidade do sono, reforça o esqueleto, o sistema imunológico e muscular, bastando uma exposição diária entre 15 a 30 minutos o vivente fica reforçado da infância a velhice.

 

Para a Terra, esse mesmo sol com chuvas regulares, promove colheitas fartas de tudo que supre a humanidade e os animais, e por provocar nos vegetais a fotossíntese, (processo pelo qual o planeta e outros organismos convertem a energia solar em energia química), produzindo moléculas orgânicas, sendo a principal fonte de energia na biosfera.

 

Todavia o SOL sem chuvas, provoca as QUEIMADAS que é diferente das COIVARAS, a terra seca faz a vegetação amarelar que pega fogo facilmente, (por exemplo com uma bagana de cigarro acesso ou com um pedaço de vidro jogado ao léu que amplia o calor solar, tem-se gerado desastrosos incêndios no meio ambiente.

 

Já a COIVARA é a queima de uma gleba desmatada, que fica a secar no chão os galhos, que servirão pelas cinzas como adubo ao chão programado para agricultura, bem como restos de uma safra agrícola que precisa ser queimada para rotação da cultura, podendo ser para fazer pasto ao gado.

 

Há QUEIMADAS de espaços com muito inço, capoeira que podem ser chamados também de COIVARA, se a finalidade for agrícola, mas quando pelo vento se perde o controle, viram grandes incêndios, de gigantescos prejuízos ao meio ambiente, perdendo a finalidade da COIVARA.

 

Para pensar:  Tudo que nasce na vida tem fim e como na Coivara volta para adubar a terra ou como na Queimada destrói um passado, fazendo nascer um novo presente!